Este é um artigo dedicado aos autores brasileiros, nossa amada galera amante de RPG que tiveram suas inspirações para desenvolver seus próprios sistemas e cenários de jogo. Independente se através de sistemas de RPG com licença aberta como o D20 System ou com mecânicas próprias, os criadores de RPG merecem uma reportagem especial para divulgar ainda mais que o Brasil também faz muita coisa boa. Por isso, confira 11 sistemas de RPG feitos por brasileiros que pode adotar em sua próxima campanha!

1. Defensores de Tóquio 3a Edição – Alpha (3D&T Alpha)

Se quer entrar no mundo dos animes e jogos de videogame estilo Final Fantasy e God of War, este é o jogo perfeito para você! Com um sistema simples usando somente o dado de 6 lados (D6), sua mecânica também auxilia a fazer fichas rápidas e o personagem fica poderoso em pouco tempo, dependendo também do enredo que se está jogando. Surgiu com a revista Dragão Brasil e tinha a proposta de satirizar os animes e tokusatsus da TV.

O sistema passou por modificações e acabou caindo no gosto dos rpgistas, se tornando um sistema brasileiro oficial. Atualmente em sua versão Alpha, ele é jogado em vários tipos de narrativas pelos fãs e seu material foi considerado acessível devido ao valor também. O 3D&T Alpha é produzido e publicado pela Jambo Editora.

sistemas-de-rpg-3det

2. Desafio dos Bandeirantes

O primeiro RPG a abordar temas unicamente brasileiros, sendo um RPG de fantasia histórica valorizando a cultura tupiniquim. Num cenário mítico no qual nosso país era chamado de Terra de Santa Cruz, os jogadores podiam interpretar pajés, jesuítas, babalorixás e os próprios bandeirantes.

Infelizmente não teve muito sucesso por conta do desconhecimento e desinteresse de um público que estava voltado para os RPGs estrangeiros. Vale pontuar aqui o ponto de vista preconceituoso em relação aos temas abordados, que fez com que Desafio dos Bandeirantes não fosse bem recebido pelo público. Com a expansão atual nesse mercado, o material está sendo atualizado e produzido para ser usado em outros sistemas e quem sabe, retornar com força total às editoras “brazucas”.

sistemas-de-rpg-bandeirantes

3. Tormenta RPG

Este é um clássico muito conhecido entre os jogadores e narradores, que iniciou como um cenário de campanha criado por Marcelo Cassaro, Rogério Saladino e J. M. Trevisan. Adaptável para os sistemas mais conhecidos dos fãs de RPG como AD&D, GURPS e 3D&T – do antigo manual vermelho. Foi evoluindo e ganhando força com o público, além de modificações de enredo na trama principal do mundo de Arton – cenário de Tormenta – graças à licença aberta para jogos com o uso do D20 System.

Vemos personagens famosos do continente de Arton interagindo com os jogadores e o fenômeno da Tormenta, uma tempestade rubra que destrói a tudo, que é o maior desafio para todos os povos. Com um sistema de regras próprio, Tormenta RPG alcançou fãs em todo o Brasil e é um dos principais títulos criados totalmente por brasileiros.

sistemas-de-rpg-tormenta

4. Old Dragon

Retornando com a Velha Forma de se jogar RPG, o que podemos chamar de Old School, Old Dragon RPG foi publicado pela editora RedBox e tem um número considerável de fãs no país. Diferente do D&D, com suas inúmeras ferramentas e mecânicas que mudam constantemente, a proposta de Old Dragon RPG é trazer o clima de dificuldade e desafio para os jogadores mais estratégicos, que contam com as habilidades ou posicionamento no mapa de batalha.

O sistema revisita versões iniciais do Dungeons & Dragons usando também o Open Game License – que permite utilizar o D20 System -, assim como o citado Tormenta RPG o fez. Os mais tradicionalistas entre os rpgistas podem se identificar com Old Dragon, uma vez que dá a sensação nostálgica do velho D&D e os desafios podem ser maiores ainda devido aos recursos mais limitados dos grupos de aventureiros.

sistemas-de-rpg-oldragon

5. Terra Devastada

Aproveitando a temática do apocalipse zumbi – como na série The Walking Dead -, este é o jogo ideal para lutar contra essas aterradoras criaturas, com o único intuito de sobreviver. Criado como um RPG de horror distópico, sua mecânica valoriza a criatividade e intuição dos jogadores. Ele usa o sistema D6, no qual quanto mais números pares for tirado nas rolagens, mais pontos de Desempenho os personagens ganham, auxiliando-os a resolver os desafios propostos pelo narrador.

Além da mecânica, o livro é bem produzido e une a ficção científica com o gênero survival horror. Ou seja, Terra Devastada é uma ótima pedida para quem curte ataques de zumbis e correria o tempo todo.

sistemas-de-rpg-terra

6. Sistema Daemon e seus vários títulos

O sistema Daemon foi criado por Marcelo Del Debbio e seus colaboradores, surgindo com a linha de RPG Arkanun-Trevas, que utiliza do Terror Sobrenatural e algumas associações de textos ocultistas, nomes de sociedades secretas e personagens históricos sendo colocados como figuras sobrenaturais. Apesar de algumas semelhanças com World of Darkness, sua proposta é diferente, com um sistema que traz porcentagens em atributos. A magia tem sua complexidade ao obrigar os jogadores a usar uma junção de verbo com substantivo, inspirado no RPG Ars Magica.

O ponto alto é a união de fatos históricos com várias mitologias existentes, podemos associar qualquer mídia de terror, independente de ser filme, série, animação ou livro, que podem ser adaptados ao sistema Daemon. Há títulos que englobam todo tipo de cenário: fantasia medieval, histórico, animes, cyberpunk, mas devemos dizer que o carro chefe do sistema é a temática do Terror e a história real como pano de fundo. Abaixo uma lista dos principais títulos do sistema Daemon:

sistemas-de-rpg-daemon

7. Tagmar

Este é um tesouro para os fãs de RPG e o primeiro título nacional ambientado em fantasia medieval clássica semelhante aos filmes antigos do Conan ou o anime Record of Lodoss War. Seu cenário é mais “pé no chão”, ou seja, a variedade de magia não é tão grande como em D&D, por exemplo. Em Tagmar, a história e o sistema trazem o medievalismo sem deixar o misticismo de lado, mas não de forma tão “alta magia”, ou seja, não veremos várias montanhas flutuantes, veículos tecno-mágicos ou raças mecanóides no cenário.

O Tagmar surgiu no início dos anos 90 e fez relativo sucesso, mas passou por muitas mudanças e algumas injustiças por conta do domínio da linha Dungeons & Dragons. Na época, era difícil ter espaço para os sistemas brasileiros já que não se confiava muito no trabalho nacional. Apesar de seu público considerável na época, o Tagmar desapareceu do mercado rpgista. Após alguns anos ele retornou em uma segunda edição e hoje está em projetos de revitalização por fãs do cenário, que pretendem trazer o Tagmar III.

sistemas-de-rpg-tagmar

8. Millenia

RPG de ficção científica, também produzido pela mesma editora de Tagmar e Desafio dos Bandeirantes, Millenia bebia diretamente de fontes como Babylon 5 e Star Trek, na qual raças humanas se espalham pela galáxia e guerreiam com raças alienígenas por domínios e territórios. O sistema é composto por algo semelhante às classes de personagens, bem como os atributos que fornecem as informações necessárias para as planilhas. É um item raro atualmente, mas conseguiu agradar alguns fãs que curtem o estilo Space Opera, já que seu sistema de fácil compreensão e descrição do cenário eram um dos atrativos para jogar.

sistemas-de-rpg-milennia

9. Era do Caos

Podemos dizer que Era do Caos é um primo de Shadowrun, misturando seres fantásticos com humanos no nosso planeta. Lembra um pouco o filme Bright, entretanto com mais violência e grandes corporações controlando a maior parte dos recursos disponíveis da sociedade. Além do livro principal, há os suplementos que acompanham Era do Caos RPG, como:

  • Noturnos, falando sobre os mortos-vivos que retornaram para um propósito, semelhante ao que vemos no filme O Corvo;
  • O livro Lendas, que descreve seres míticos da cultura brasileira que surgem com uma forma de conviver em sociedade;
  • Caídos: imagine a guerra entre anjos e demônios tendo como cenário o Brasil, como em Anjos Rebeldes;
  • Feiticeiros: tipos de usuários de magia e bruxaria com ordens e tradições ocultistas servindo de inspiração para completar o cenário de uma Terra caótica.

O sistema de Era do Caos usa o dado de 6 lados e os testes são bem sucedidos quando atingem o número alvo ou superior. Para além das rolagens, há os Pontos de Determinação, que concedem dados extras para melhorar os resultados. Com base nessas informações, Era do Caos se tornou um jogo interessante que mistura gêneros de terror gótico com a realidade massacrante da Terra.

sistemas-de-rpg-caos

10. Violentina

Que tal participar de um cenário onde se destacam tramas que remetem aos filmes do Quentin Tarantino e clássicos como O Poderoso Chefão, Nikita e outras obras com muita violência, sedução e intriga? Violentina traz essa imersão no mundo dos grandes criminosos, colocando os jogadores nesse contexto de ação e intrigas familiares, busca por poder e controle de cartéis de drogas.

O livro traz regras simples, que permitem o compartilhamento da narrativa de forma equilibrada entre os participantes, usando como parâmetros regras de cartas iguais ao pôquer ao invés dos clássicos dados. Criado pelo rpgista Eduardo Caetano, há uma boa receptividade do público sobre o jogo e é uma ótima pedida para o estilo de narrativa gangsters e mafiosos.

sistemas-de-rpg-violentina

11. Cosa Nostra

Seguindo a proposta de trama e mecânica semelhante ao Violentina, onde os participantes utilizam-se de narrativa compartilhada, Cosa Nostra foca em histórias de máfias e as intrigas em volta desta temática. É como se estivesse jogando O Poderoso Chefão, focado nos Estados Unidos dos anos 30, com muita provocação e intriga cheia de disputas entre famílias mafiosas.

O interessante é que há regras de Traição para os participantes que desejem chegar ao auge do poder no ciclo mafioso e os recursos que podem dispôr para conseguir tais feitos. Produzido pela equipe Estúdio V, Cosa Nostra propõe um estilo de narrativa bem fora dos padrões heroicos que estamos acostumados, trocando o heroísmo no RPG por intrigas e corrupção. Para quem curte histórias de máfia italiana e participações de forma imersiva, Cosa Nostra é totalmente recomendado.

sistemas-de-rpg-cosanostra

Leia mais sobre RPG no Hobbismo:

Quais sistemas de RPG brasileiros mais jogou?

Então, caros aventureiros brasileiros, qual título parece ser mais empolgante para levar ainda mais diversão às suas mesas? O que é interessante nesta postagem é que sabemos que o Brasil produz muita coisa e não é diferente com o RPG, vamos incentivar os amigos e investir mais em nossos produtos rpgísticos. Selecione os seus preferidos e vamos jogar e apoiar os sistemas de RPG brasileiros!

http://hobbismo.com.br/wp-content/uploads/2018/05/junglefriends_by_toyskunk-d73vk28.jpghttp://hobbismo.com.br/wp-content/uploads/2018/05/junglefriends_by_toyskunk-d73vk28-150x150.jpgRick ValerioRPGRPG,sistemas de RPGEste é um artigo dedicado aos autores brasileiros, nossa amada galera amante de RPG que tiveram suas inspirações para desenvolver seus próprios sistemas e cenários de jogo. Independente se através de sistemas de RPG com licença aberta como o D20 System ou com mecânicas próprias, os criadores de RPG...Uma fonte, muito conteúdo