Shadow Warrior 2 foi minha primeira interação com a série cult de FPS, que, admito, só vim a conhecer após saber que um reboot seria feito. Recheado com o que há de pior nos anos 1990 – o Shadow Warrior original foi lançado em 1997 -, a franquia não economiza nos palavrões, explosões, tiros e monstros que vão desde a soldados cibernéticos a demônios inspirados na mitologia oriental.

Com um protagonista tão desbocado e debochado quanto Duke Nukem, o retorno de Lo Wang conseguiu ser melhor sucedido que Duke Nukem Forever, apesar disso não ser muito mérito. Shadow Warrior 2 continua pouco após o fim do primeiro título, com um mundo tendo que lidar com os demônios libertados por conta da burrice do protagonista. Aceitando um serviço para resgatar a neta de uma poderosa chefe da Yakuza, Lo Wang acabará desvendando uma trama familiar digna das piores novelas mexicanas – mas com tiros e espadadas por todos os cantos.

Shadow-Warrior-2

Uma história tão sem sentido quanto o próprio jogo

Continuando sua vida como um mercenário após os eventos do primeiro game, Lo Wang recebe um novo e incomum serviço para ele: resgatar (e não matar) uma pessoa. A garota em questão é Kamiko, que está sendo usada para experimentos por uma corporação hi-tech. O resgate não sai bem como esperado, mas, após um ritual de transferência de alma, ela fica parcialmente salva, cabendo ao mercenário encontrar um método para colocar sua alma de volta no corpo.

Esse não chega a ser o pico do iceberg, servindo apenas como uma introdução. Daí até o fim do jogo, uma série de reviravoltas constantes revelam uma conexão entre todos os personagens do game, mesmo que elas sejam as mais impossíveis e insanas possíveis, mesmo que previsível em alguns pontos. O que torna a narrativa de Shadow Warrior 2 divertida é a maneira quase pastelona de revelar os detalhes de sua trama, principalmente levando em consideração o diálogo dos personagens com Lo Wang.

Personalizando suas maneiras de explodir tudo

Esqueça jogos de ação que permitem que seja furtivo ou explosivo: diferente de títulos como os da franquia Deus Ex, aqui só existe uma opção. Mas isso não significa que precisa fazer igual a todo mundo. Através de um sistema de acessórios e habilidades personalizáveis, é possível escolher suas maneiras favoritas de lidar com as hordas de inimigos e os grandes chefes presentes no título.

Todas as armas do game contam com três espaços para inclusão de acessórios, que possuem os efeitos mais diversos. Entre eles, podemos citar a possibilidade de fazer com que a arma dê dano de um determinado elemento, que melhore sua taxa de acerto crítico e até mesmo mudar o tipo de munição dela. Por exemplo, é possível equipar uma gema para que seu lança-mísseis dispare explosivos que grudem na superfície.

shadow-warrior-2-armas

O sistema de habilidades segue uma linha mais tradicional, com pontos de habilidade conferidos cada vez que avança de nível ou completa missões. Com esses pontos, pode melhorar atributos como sua vida ou chi máximo, além de tornar algum tipo de ataque mais forte. Porém, vale lembrar que apenas algumas habilidades básicas estão disponíveis para serem melhoradas no início do game. Diversas delas são encontradas – ou dadas como recompensa – durante as missões do game.

Grande customização, excesso de comandos

Enquanto por um lado toda essa customização em Shadow Warrior 2 seja positiva, ela tem um preço. Com tantas formas de matar seus inimigos, por algumas vezes se torna difícil utilizar uma habilidade. Os ataques são divididos em três partes: tiros ou golpes básicos com a arma, habilidades mágicas e golpes avançados com as espadas e lâminas. Algumas sequências possuem comandos muito parecidos, e não será incomum se frustrar em alguns momentos por conta de erros causados por isso, principalmente nas partes mais dinâmicas. Porém, após ajustar e descobrir seu estilo de jogo e golpes favoritos, esses erros se tornarão menos comuns.

Apesar dessa questão que surge a tona com alguma frequência, não há o que reclamar da ação, que consegue ser dinâmica e desafiadora na medida certa. Dizemos isso pois é notável que, embora chova tiros, magias e golpes por todos os lados, ainda existe um elemento estratégico nos embates.

Saber aproveitar sua posição, ficar atento aos elementos disponíveis no mapa e usar a arma correta para cada tipo de briga é bastante recompensador, mas também é necessário que preste atenção nos adversários: eles possuem forças, imunidades e fraquezas que podem ser exploradas. O sistema de elementos que mencionamos é especialmente útil aqui, já que permite conferir mais dano a um chefão ou inimigo com propriedades especiais – ou ser morto de maneira brutal caso escolha negligenciar essa parte.

Sangues, tripas e pedaços de metal em cenários exuberantes

Sangue é algo que não falta em Shadow Warrior 2, isso sem mencionar tripas e membros cortados dos monstros que enfrenta. Toda essa violência desenfreada contrasta com uma boa quantidade de belos cenários, que algumas vezes torna difícil acreditar que estamos realmente jogando um título com tantos elementos que vão contra todos os padrões de etiqueta social, como não decepar aqueles que discordam de nós. Vale notar aqui também a grande variedade de cenários, que vão desde mansões escondidas em florestas remotas até grandes fortalezas tecnológicas, com uma pequena pausa para vislumbrar um reino demoníaco, entre outros.

O mesmo pode ser dito das músicas e efeitos sonoros do game, que integram bem aos locais explorados por Wang e Kamiko. A barulheira fica mais intensa com o aumento da quantidade de inimigos e golpes desferidos de um lado para outro, com sons correspondendo bem ao tipo de inimigo que está enfrentando. Sons estridentes de metal sendo cortado são bem representados quando enfrenta inimigos desse tipo e o mesmo pode ser dito sobre os inimigos feitos de carne e osso, por exemplo. Ataques, tiros e golpes com as armas de curta distância também contam com sons verossímeis.

Colecionáveis e modo cooperativo

shadow-warrior-2-coop

Outro aspecto bastante presente em Shadow Warrior 2 são seus colecionáveis, melhores que a maioria do que vemos em jogos do gênero. Ao invés de coletar itens de decoração, podemos colecionar registros em diários, notícias ou arquivos, revelando um pouco da história de personagens envolvidos direta ou indiretamente na trama, além de lendas mitológicas sobre coelhos. Quanto mais explorar e revelar, mais sobre a louca trama do jogo saberá.

O destaque também vai para o seu modo multiplayer cooperativo. Ao iniciar um jogo, é possível configurar sua campanha para que receba outros jogadores que o ajudarão em suas missões, da mesma maneira que pode apenas procurar um jogo aberto sem comprometer o andamento de sua história, caso prefira jogá-la sozinho. É possível ter até quatro jogadores simultâneos em uma sessão coop, que inclui a possibilidade de equipar um acessório que confere vantagens apenas nessa modalidade.

Confira também nossas outras reviews:

O que achou de Shadow Warrior 2?

Para encerrarmos essa review, classificamos o título da Flying Wild Hog como um dos melhores FPS a serem lançados. Enquanto o primeiro Shadow Warrior procurou ressuscitar as raízes retrô da franquia, sua sequência modernizou o título, mas sem tentar se tornar algum tipo de simulador militar e realista. Na verdade, consideramos que aconteceu o inverso: o título está ainda mais viajado e insano em todos os sentidos possíveis. E você? O que achou do título, agora disponível para PC, Linux, Mac, Playstation 4 e Xbox One? Conte para a gente!

Esclarecimento: A cópia de Shadow Warrior 2 foi testada em um Xbox One com o controle padrão do console. Alguns elementos mencionados nessa review podem não ser idênticos aos vistos nas demasiadas versões e controles usados no game.

http://hobbismo.com.br/wp-content/uploads/2017/07/Shadow-Warrior-2.pnghttp://hobbismo.com.br/wp-content/uploads/2017/07/Shadow-Warrior-2-150x150.pngFilipe SallesGamesGames,ReviewsShadow Warrior 2 foi minha primeira interação com a série cult de FPS, que, admito, só vim a conhecer após saber que um reboot seria feito. Recheado com o que há de pior nos anos 1990 - o Shadow Warrior original foi lançado em 1997 -, a franquia não economiza...Tudo sobre seus hobbies em um só lugar!